Dia de Fábrica ocorreu em 23 de junho, abrindo as portas da empresa para os agricultores familiares parceiros

A Bianchini realizou nesse dia 23 de junho a oitava edição de seu dia de fábrica para a agricultura familiar. O evento objetiva abrir as portas da empresa para que os agricultores familiares parceiros possam conhecer todo o processo de beneficiamento de soja e de produção de biodiesel. A iniciativa faz parte das ações da empresa de fortalecimento da agricultura familiar na cadeia produtiva do biodiesel no âmbito das ações que compõem o Selo Combustível Social de que a empresa é detentora.

Nesta edição, a Bianchini recebeu, pela primeira vez, agricultores de duas cooperativas da agricultura familiar, a Cooperativa Rural dos Vales Ltda – Cooperval e a Cooperativa dos Produtores de Leite de Serafina Ltda – Cooperlate. Ao todo foram 71 agricultores familiares das referidas cooperativas.

Devidamente orientados sobre os procedimentos de segurança e uso de EPIs, eles puderam adentrar na fábrica e conhecer todas as etapas do processo, tanto de esmagamento de soja, quanto de produção e expedição de biodiesel, além de setores adjacentes como os laboratórios de controle de qualidade, a geração de vapor, oficinas e o setor de expedição fluvial que faz o transporte de farelo de soja para o porto de Rio Grande, servindo-se da hidrovia da Lagoa dos Patos. Cada fase industrial foi explicada por um profissional da empresa responsável por aquela etapa.

Além disto, eles puderam conhecer melhor o padrão de qualidade da soja, os defeitos que podem ser reduzidos com boas práticas agrícolas e como é feita a classificação durante o recebimento.

Na visão do Renan, gerente da loja da Cooperlate, os agricultores associados ficaram muito felizes em participar do dia de fábrica e o evento despertou curiosidade sobre assuntos. “Eles achavam que o esmagamento era muito mais simples e puderam ver como é trabalhoso” – afirmou. Renan ressaltou que a parceira da Coopelate com a Bianchini é muito boa, muito forte, pois conseguem um preço equilibrado que remunera bem os produtores. E emendou, dizendo que deseja que a parceria seja de longo prazo e que querem aumentar as vendas para a empresa.

O gerente da unidade de grãos da Coooperval Alexandre, disse que o agricultor entrega a soja na cooperativa e que não tinha noção do que ocorria depois. “Conhecer todo o processo agrega conhecimento ao agricultor e estreita a parceria da cooperativa com a Bianchini” – afirmou. Alexandre ressaltou que “a região da Cooperval, vale do Taquari, é composta por 36 municípios e por agricultores pequenos e diversificados na sua propriedade, tendo suínos, aves, trigo, milho e a soja. A soja é complementar. A parceria com a Bianchini reforça isso, isto é, gera mais renda”. E exemplificou citando o bônus ao agricultor e o suporte financeiro para a assistência técnica” (ambos conferidos pelo Selo Combustível Social). Alexandre expressou que espera da Bianchini que valorize cada vez mais o trabalho da cooperativa que não atende somente à soja, mas também ao trigo, ao milho, ao leite. Alexandre finalizou afirmando que “esta parceria entre a Cooperval, Bianchini e demais cooperativas tende a se fortalecer através destes eventos que nos aproximam”.

O agricultor Geraldo, associado da Cooperlate, expressou o seu sentimento depois da visita: “este é o maior presente. Eu nunca tinha sonhado um dia conhecer uma fábrica, uma indústria como esta daqui. Para nós fica como lembrança que até nós viver, não vamos esquecer”. E sobre a Bianchini e o Selo Combustível Social, ele afirmou que “quanto mais tiver indústria, mais a soja ‘pega’ preço”.

O evento foi também prestigiado pelo vice presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul – Fetag/RS, Nestor Bonfante. Ele foi enfático ao dizer que a melhoria de produtividade da soja no RS em muito é devida ao programa do selo social, pela garantia de preços e pela assistência técnica. E afirmou que “precisamos, enquanto Brasil, avançar nos níveis de mistura” (de biodiesel ao diesel) e “que os bons preços da soja são em parte assegurados pelo biodiesel”. Por fim parabenizou a notoriedade da Bianchini no trato com a agricultura familiar do RS.

Antin, Diretor Executivo da Bianchini, mostrou-se muito motivado em receber pela primeira vez os agricultores das cooperativas parceiras. Para ele é importante que o agricultor conheça, mesmo que de forma genérica, o destino dado à produção gerada no campo e os caminhos percorridos pelo grão na etapa industrial, antes de sua transformação em produtos de consumo final. Enfatiza a satisfação da empresa em poder propiciar essa oportunidade ao Agricultor Familiar, através da parceria mantida com as cooperativas Cooperval e Cooperlate. Finaliza destacando o relevante papel da produção oriunda da Agricultura Familiar, na formação das matérias primas utilizadas para a produção do biodiesel, um dos focos industriais da empresa. Espera que “essa importante cadeia produtiva permaneça atuando com destaque, acompanhando  a evolução e crescimento do mercado nacional de biodiesel. Para tanto, ações como a desta data, destinadas à capacitação coletiva de agricultores familiares cooperados, muito contribui para o  enfrentamento futuro dos desafios que advirão e o sucesso esperado”, conclui.

O evento contou com a participação do Coordenador Geral de Energias Renováveis da Secretaria Especial da Agricultura Familiar da Casa Civil da Presidência da República, André Luiz que visitou o complexo industrial e acompanhou as explicações sobre as diversas etapas dos processos produtivos além de ter interagido com os demais participantes. O Sr. André agradeceu o convite e enfatizou que o evento é uma forma de reforçar a relação do agricultor familiar com a indústria de biodiesel  e de mostrar a importância da agricultura familiar na sua produção. E aproveitou a oportunidade para falar do Selo Combustível Social. Nas palavras dele, o Selo Combustível Social é uma forma de incluir a agricultura familiar no processo de produção de biodiesel e uma alternativa de fonte de renda para a agricultura familiar.

Ao fim, após um pequeno debate sobre questões e dúvidas levantadas pelos convidados, o evento foi finalizado à moda gaúcha, com um churrasco e muita prosa.